LEIA MAIS@ 28/05/2024 - 16h19 | Juventude multado por desordem
LEIA MAIS@ 28/05/2024 - 13h14 | Avaí absolvido e Santos multado
LEIA MAIS@ 27/05/2024 - 10h34 | Pleno confirma sessão na próxima quarta
LEIA MAIS@ 24/05/2024 - 16h22 | Atlético/GO: Luiz Felipe suspenso e Gabriel Barros absolvido
LEIA MAIS@ 24/05/2024 - 15h07 | VAS x GRE: clube, gandula e vice-presidente julgados

Corinthians multado por cânticos homofóbicos
15/04/2024 15h40 | STJD

Site STJD
a A

O Corinthians foi multado em R$ 10 mil por cânticos homofóbicos cometidos por sua torcida na Copa do Brasil Sub-17. A punição foi aplicada pela Primeira Comissão Disciplinar em sessão realizada nesta segunda, 15 de abril, e cabe recurso ao Pleno.

A infração foi narrada na súmula da partida entre Corinthians e Internacional. Ao fim do primeiro tempo o árbitro relatou que foram entoados cânticos homofóbicos por parte da torcida mandante. Foi narrado ainda que o sistema de som do estádio interviu e os cânticos cessaram. A conduta gerou denúncia ao Corinthians no artigo 243-G.

Em sessão de julgamento, o Corinthians juntou provas documentais e pediu o depoimento do gerente geral do departamento de base, Claudinei Muza.

"Eu estava presente na partida e realmente ao final do primeiro tempo houve um canto por parte de alguns torcedores que estavam na arquibancada coberta. Eu mesmo, imediatamente, pedi a assessoria de imprensa que postasse no telão do estádio mensagem dizendo que qualquer tipo de homofobia é crime e isso foi feito. Acredito que a torcida tenha se conscientizado e, como o quarto árbitro relatou, não teve mais nenhum episódio nesse sentido até o final da partida.

Em torno de 200 a 250 torcedores estavam presentes e em torno de 20 a 30 pessoas na batucada que puxaram o canto, foi a minoria e logo acalmaram. Essa partida teve transmissão da Sportv", disse o depoente.

Após o depoimento, o Subprocurador-geral Michel Sader manteve a denúncia e pediu.

“O pedido da Procuradoria é pela aplicação da pena de multa sem a aplicação dos agravantes do parágrafo”, concluiu.

Advogado do Corinthians, Sérgio Engelbert sustentou.

“Trouxemos os trabalhos feitos pela entidade, cartilha que o clube divulga, campanhas nas redes sociais e tudo aquilo que o Corinthians fez e podia ter feito para minimizar o episódio com a ação efetiva do seu pessoal. Infelizmente não foi possível a efetiva paralisação de forma rápida sem se estender o prejuízo. De fato, ocorreu e peço que os senhores tomem conta de todo o trabalho feito pelo Corinthians. Pela boa fé processual não venho pedir a absolvição, mas que seja aplicada uma multa condizente”, finalizou.

Concluídas as sustentações, o relator do processo, auditor Ramon Rocha proferiu seu voto.

“O fato é incontroverso e a própria defesa reconhece que foram entoados os cânticos e que em razão da atuação de pronto eles cessaram.

Acolho os termos da denúncia, há uma necessidade de reprimir esse tipo de conduta, mas não posso perder de vista que se trata de uma competição sub-17. Voto pela multa de R$ 10 mil no artigo 243-G”, explicou.

Os auditores Caio Barros, Rafael Stipkovic e o presidente Alcino Guedes acompanharam o voto do relator.


As informações de cunho jornalístico produzidas pela Assessoria de Imprensa do STJD não produzem efeito legal.